Na próxima terça-feira (5), a Vara do Trabalho de Navegantes-SC receberá a versão 2.0 do Processo Judicial eletrônico (PJe) após seis anos da implantação do sistema. Os presidentes do Tribunal Superior do Trabalho (TST) e dos Tribunais Regionais do Trabalho (TRTs) já puderam ver as funcionalidades que estarão disponíveis para os magistrados e servidores da Justiça do Trabalho.

Durante o Colégio de Presidentes e Corregedores dos Tribunais Regionais do Trabalho do Brasil (Coleprecor), ocorrido na última quarta-feira (22), o juiz auxiliar da presidência do TST e do CSJT, e coordenador nacional do Sistema do PJe, Fabiano Coelho, apresentou o PJe 2.0 como “uma obra coletiva, capitaneada pelo CSJT, com um enorme esforço para melhorar a experiência do usuário e, com isso, ganhar agilidade na prestação jurisdicional”. De acordo com ele, “isso só foi possível graças ao apoio dos TRTs, da secretária-geral do CSJT, Marcia Lovane Sott, e do presidente do CSJT e do TST, ministro Ives Gandra da Silva Martins Filho. O presidente deu todo o apoio, liberdade e respaldo possíveis para que esse sistema fosse implementado”.

O juiz auxiliar da presidência do CSJT e do TST, e membro do Comitê Gestor Nacional do PJe, Maximiliano Pereira de Carvalho, lembrou que, no dia 5 de dezembro, o PJe passará a distribuir ações também na Sessão de Dissídios Individuais 1 (SDI-1). “Será o último órgão jurisdicional a distribuir processos do PJe. Neste dia, nós teremos um marco alcançado, que é o PJe em todo o TST, Varas do Trabalho e TRTs”, enfatizou.

O coordenador técnico do PJe do CSJT, Christiano Guimarães de Carvalho, apresentou uma síntese didática sobre as mudanças de tecnologia da versão antiga para a 2.0. “A tecnologia usada atualmente no sistema está defasada, porque é de 2011, com front-end antigo e com uma tecnologia pesada para o usuário final”. Ele ressaltou ainda todo o trabalho de migração da tecnologia antiga para a 2.0 do PJe. “Ela foi desenvolvida pelo Google e estão sendo reescritos 635 mil códigos de forma paulatina”, explicou. De acordo com Christiano, ao longo de 2018 e 2019, a coordenadoria Técnica do PJe pretende fazer a migração para o 2.0 com todos os códigos reescritos. “A tecnologia será mais acessível e mais rápida para todos os usuários, com menos erros. A experiência do usuário do sistema será cada vez melhor”, esclareceu.

O juiz do Trabalho da 3ª Região e integrante do Grupo Nacional de Negócio do PJe, Fabiano Pfeilsticker, apresentou as funcionalidades do novo sistema. “O novo PJe foi reescrito como os usuários gostariam que ele fosse, trazendo uma nova tecnologia, uma melhor performance do sistema, com maiores facilidades e usabilidade. Trazemos conceitos modernos, inspirados no Android e IOS, trazendo uma visualização muito mais fácil, rápida e dinâmica.

No dia 5 de dezembro o PJe 2.0 será instalado em Navegantes (SC), já no dia 11 de dezembro a instalação será na 15ª VT de Porto Alegre (RS). No dia 12 será a vez da 1ª VT de Parauapebas (PA-AP) e no dia 13 da 1ª VT de Contagem (MG). Segundo o secretário de Tecnologia da Informação e Comunicação do CSJT, Cláudio Fontes Feijó, deverá ser adotada para os próximos lançamentos do PJe, a estratégia de implantação por pilotos, "pois desse modo as versões liberadas para homologação dos Tribunais terão ainda maior qualidade", afirmou.

Após a explicação do coordenador técnico, um vídeo de apresentaçao do KZ, o mascote do PJe na versão 2.0, foi mostrado aos presentes. O nome do mascote é uma abreviação da palavra japonesa “Kaizen”, que significa “melhoria” ou “mudança para melhor”. O KZ é um androide esférico em tom metálico, cujas expressões, como felicidade e dúvida, por exemplo, podem ser facilmente percebidas por meio de um monitor no centro de seu corpo.